“Pedidos de isenção do Ecad nos eventos Gospel” por Elizeu Gomes

11 jul

Todas as semanas tenho recebido pedidos para liberar o ECAD de cobrar obras minhas que serão executadas em eventos gospel. Sou compositor, não tenho habilidade para outra coisa com tamanha nobreza a não ser escrever canções, dom de Deus e agradeço à Ele. Por esta razão é na composição de onde Deus me abençoa para manter minha família há mais de 22 anos.

O problema é que agora todos os eventos “descobriram” este caminho de “petição de isenção” e  como eu tenho centenas de músicas com quase todos os cantores evangélicos, TODOS OS EVENTOS me pedem para liberar o ECAD, assim a cada dia vejo meus recursos minguando. O que me incomoda é ver  estes mesmos eventos fazendo dinheiro com suas vendas e promoções nestas ocasiões. Imaginem quantos eventos acontecem no Brasil por semana?

Mas então eu tenho uma dúvida, e gostaria de entender, numa boa, sem sarcasmo, sem ironia, com amor, com muita humildade, veja, sejam sensatos, a maioria destes eventos cobram diárias, inscrições, vendem materiais diversos como, DVD´s, Cd´s, livros, Revistas, instrumentos musicais, pagam o som, a mídia, marketing, transportes, hotéis, refeições, filmagem, foto, funcionários, propaganda, carros de som, out-door pela cidade, aluguel do espaço de eventos, aluguel de estádios, taxis, passagens aéreas, técnicos, cachêt para cantores/bandas, motoristas, web,TV, Radio, iluminação, segurança e ofertas para ministrantes… assim eu pergunto; para todo este pessoal também lhe é pedido estas isenções ou só a nós compositores?

São dois argumentos usados:
a) “É um trabalho missionário” (então ninguém deve movimentar dinheiro, tão pouco vender coisas e cobrar inscrições)
b) “Você já recebe no trimestre” (a gravadora não está fazendo nada além de pagar o DIREITO AUTORAL e o pior, em cima de centavos por peça vendida depois de pagos todos os impostos, tem isto ainda)

Desculpe se estou sendo deselegante, não é do meu comportamento, tenho formação superior e a educação para mim é um modus vivendis, no entanto, é uma dúvida.

Inclusive, estes mesmos cantores vão VENDER exatamente por causa “daquela música” que nós compositores os isentamos de pagamentos ao ECAD.

Nunca, estes anos todos, no meu caso, até onde vai o limite da minha consciência, não me lembro, nenhum cantor, gravadora ou organização de eventos, que enviou um e-mail, uma carta, um telefonema, um bip, um torpedo, um scrap, um msn,  de agradecimento, nunca, nenhum. Afinal foi uma economia para eles, não foi? A única pessoa que fez isto foi o Robson Wilson, um tremendo profissional, inclusive hoje na Central Gospel. Robson me paga direitos desde o tempo da MK, portanto são mais de 20 anos que ele trabalha no ramo e sabe desta situação dos compositores.

Conclusão, TODOS saem pagos e a os compositores, às vezes, nem com um “muito obrigado”, pois eu já cansei de enviar autorizações de isenção, os eventos receberem, nem pagarem o correio e nem mesmo retornar com a mesma veemência com que pediram, nem para dizer “recebemos” ou um “valeu, ok”.

Para pedir uma isenção o pessoal nos acham, ô se acham, no entanto, para acertar um trimestre atrasado TODOS somem, é incrível!

Isso sem contar que, quando chegam os pedidos de isenção toda as semanas, tenho que interromper minha correria pessoal e ministerial que já é grande, parar, ir ao cartório, correio, fila, etc. Olha é uma benção, viu? E o dinheiro que ainda gasto com correios? Só a MK que me envia as despesas porque tenho cadastro bancário lá há 20 anos. É barato na visão de quem recebe uma autorização, porém, do meu lado são dezenas de envios de isenções para dezenas de eventos simultâneos no Brasil. O ECAD tem “pegado pesado” neste sentido.

Por favor, este artigo não é para cobrar despesas de correios, rsrsrsrsrs…se tudo fosse isto já estaria resolvido, todavia, o que aqui estou “abrindo” com propriedade vai além de uma simples despesa de correios, eu falo de sensatez, honra e gratidão.

Repito, vou continuar enviando isenções com gratidão, só solicito que repassem este artigo à organizadores de eventos, se ainda assim eles acharem justo, sem problemas continuarei a enviar as isenções.

E outra coisa, por gentileza, isto aqui não é desabafo, é apenas “o lado de cá da ponte”, uma realidade vivida por nós compositores, contudo, só nós mesmos é quem sabe. Hoje no Brasil virou moda chamar de desabafo quando você assume uma linha mais agressiva além da mediocridade da cegueira injusta.

Deus abençoe a todos, obrigado e me desculpem a franqueza.

Elizeu Gomes, SP
Compositor filiado à UBC. Possui um conjunto da obra acima de 1.123 obras gravadas por mais de 350 artistas, Prêmio Areté de Literatura, 2007, imortalizado pelo Dicionário Cravo Albin Houassis da MPB, Pag 323. Doutor em Musica Sacra pelo HIS, Florida, USA. Cantor com mais de 47 Cds gravados. Artista MK, Karppa,Warner, WCA, Made in Brazil. Músico, escritor e Professor de História Bíblica, Geografia Bíblica, Metodismo e Eclesiologia. Mestrado em Divindade pelo HIS (Florida) e Mestrado em Liderança de Igreja (GCC, New York, USA).

Anúncios

2 Respostas to ““Pedidos de isenção do Ecad nos eventos Gospel” por Elizeu Gomes”

  1. Fauzer Zaidan 11 de julho de 2013 às 9:49 PM #

    Faz parte Do Golpe Liderado pelo Grupelho de Roberto Carlos como bem definiu Lobão

  2. jonatas 12 de julho de 2013 às 4:24 PM #

    Zeu,este pessoal quer molesa,vc esta mais que certo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: